Por quê alfacinhas?

Por quê afinal de contas os lisboetas são chamados de alfacinhas?

São várias as teorias e todas elas muito diferentes mas igualmente interessantes.

Acredita-se que durante o domínio muçulmano, entre 711 e 714,  começou-se a plantar alfaces pelas colinas de Lisboa. Na época, a planta era chamada de Al-Hassa, que acabou se transformando em Alface na lingua portuguesa.

Outra hipótese levantada deve-se ao fato da alface, que tinha fins culinários e medicinais, ter sido o único alimento que restou aos lisboetas durante um dos muitos cercos que a cidade sofreu.

Outra origem do termo, deve-se ao fato de que uma tribo do Sahara, os saharauii, se instalaram nos arredores de Lisboa e Sintra, e daí terá derivado o termo saloio, designando quem estava fora de portas da cidade e ao mesmo tempo abastecia a cidade com produtos hortícolas, como a alface. Foram os saloios quem supostamente batizaram os lisboetas de alfacinhas, por estes se passearem pelos limites da cidade com laços farfalhudos da moda, no peito das camisas. Esses laços lembarvam aos saloios as alfaces.

Outra das teorias conta que, durante o cerco a Lisboa, os lisboetas eram alimentados sobretudo por alfaces trazidas nas suas carroças pelos saloios do vale de Loures. As sopeiras, meninas da província que serviam os mais abastados, gritavam: “Chegaram as alfacinhas!”, popularizando o termo entre entre os saloios de Loures, que rapidamente começaram a tratar os Lisboetas por Alfacinhas.

Eu acho todas as hipóteses muito divertidas! E adoro o termo, não sendo pra mim de forma alguma pejorativo.

Adoro ser uma alfacinha! hehehe

alfacelisa1_143406595_1024x1024

Anúncios

10 anos do Parque das Nações

O Parque das Nações é o bairro mais moderno e homogêneo de Lisboa; foi construído para a Expo 98 reabilitando uma área ocupada por infra-estruturas industriais e portuárias diversas muito pouco convidativas. É hoje um espaço que vale muito a pena conhecer e usufruir.

Esse ano, o bairro, que agrega parte da antiga freguesia de Santa Maria dos Olivais, do concelho de Lisboa, com parte das freguesias de Moscavide e Sacavém, ambas do concelho de Loures, completa 10 anos.

E para assoprar as 10 velhinhas, vejam 10 fatos curiosos em números sobre o bairro mais moderno de Lisboa:

1 – O Parque das Nações tem uma área total de 340 hectares

2 – A zona ribeirinha, frente ao rio Tejo, estende-se ao longo de cinco quilómetros

3 – Um terço do Parque das Nações está reservado a espaços verdes, com uma área superior à de 110 relvados de futebol

4 – Pelo teleférico já passaram um total de 7.533.156 passageiros

5 – Desde 1998, o Pavilhão Atlântico recebeu mais de 4,8 milhões de espectadores, tendo sido palco de 790 eventos

6 – Com sete milhões de litros de água e oito mil animais, o Oceanário continua a ser o ‘ex-libris’ do Parque da Nações

7 – Nos últimos dez anos o Oceanário recebeu cerca de 12 milhões de visitantes

8 – Segundo a Associação Comercial de Lisboa existem cerca de 300 empresas no Parque das Nações

9 – No total são mais de 22.500 os postos de trabalho existentes

10 – A área residencial do Parque das Nações tem entre 16 a 18 mil habitantes

E não podemos deixar de mencionar as 10 principais atrações ou pontos turísticos que valem a pena ser apreciados:

1. Ocenário – Foi considerado, pela terceira vez, o “Melhor Aquário do Mundo”. A atribuição foi feita pelo Travelers’ Choice 2018, do TripAdvisor, o maior site de viagens em todo o mundo.

2. Ponte Vasco da Gama – É um símbolo da engenharia Portuguesa: É a maior ponte da Europa e uma das maiores do mundo. Existe desde 1998 e liga Lisboa à margem sul.

3. Torre Vasco da Gama – É arranha-céus mais alto de Lisboa, com 140 metros. Apresenta um perfil de vela enfunada, evocando os inúmero navios portugueses que saíram do Tejo para descobrir o mundo.

4. Estaçao do Oriente – Foi projetada como gare intermodal de apoio à Expo’98 mas também com o objetivo de se tornar o principal interface de transportes da cidade, integrando metro, comboio, terminal rodoviário e parqueamento. O seu autor é o conceituado arquiteto e engenheiro espanhol Santiago Calatrava.

5. Pavilhao de Portugal – Pretende representar uma folha de papel pousada em dois tijolos. A enorme pala em betão pré-esforçado, que pesa 1400 toneladas, é considerada uma obra prima de engenharia, que ganhou um prémio internacional

6. Altice Arena – Espaço destinado a atrações públicas e festivais, com uma capacidade de 20 000 espectadores, é o maior pavilhão de espetáculos de Portugal.

7. Casino Lisboa – Um espaço moderno e cosmopolita onde a musica, a arte, o espetáculo e a gastronomia se juntam aos jogos de sorte

8. Arte Pública – A arte está na rua, nas praças, nos jardins, debaixo dos nossos pés. Vale a pena ver de perto as obras de arte urbana que talentosos artistas deixaram no Parque, transformando-o num museu a céu aberto.

9. Esplanadas – São vários os restaurantes, cafés e bares com esplanada espalhados pelo bairro. Uma delícia ficar ali sentado apreciando o movimento.

10. Centro Vasco da Gama – Centro comercial junto a estação do Oriente, com cerca de 170 lojas, 33 restaurantes, salas de cinema e health club.

É um bairro apaixonante, sem dúvida. Recomendável ao turista e uma delícia de lugar para se viver.

Os cariocas o mal comparam à Barra da Tijuca, visto que é um sítio um pouco mais afastado, com moradias mais novas e mais espaçoso. Eu diria que se assemelha sim, mas com a vantagem de se poder fazer tudo a pé.

Foi aqui que escolhemos pra morar e adoramos!

Você conhece o significado de todas as bandeiras das praias?

Nas praias vigiadas, as bandeiras içadas pelos nadadores-salvadores (salva-vidas) indicam o estado de segurança, perigos e proibições, com o intuito de informar e prevenir os banhistas.

Em Portugal, assim como no restante da Europa, a legenda é a seguinte:

  • Bandeira verde – Mar completamente calmo e condições de banho ideais.
  • Bandeira amarela – Mar pode causar alguns problemas, como ondas grandes, correntes perigosas ou fortes rajadas de vento. É preferível não entrar no mar.
  • Bandeira vermelha – Proibição do banho por algum motivo: condições meteorológicas, contaminação da água, presença de animais perigosos, etc.

E esse ano, as praias portuguesas ganharam uma nova bandeira:

  • Bandeira amarela e vermelha: indica onde é seguro tomar banho

Será entre essas bandeiras a zona segura para ir água. Os nadadores salvadores colocam essa indicação em zonas onde não há, por exemplo, agueiros. E podem mudar a localização durante o dia de acordo com as marés, por exemplo.

isnnn

Em algumas praias podemos também ver outras bandeiras menos comuns:

  • Bandeira xadrez preta e branca – O nadador-salvador não se encontra, de momento, na praia. É preciso cuidado reforçado no mar;
  • Bandeira preta – Praia fechada e/ou interdita devido ao estado do mar ou da areia;
  • Bandeira de medusas – Trata-se de uma bandeira branca com medusas como ícone. É usada para referir a presença de cnidários (medusas, águas-vivas, alforrecas, etc.) em zonas balneares.

Por último, a bandeira azul é um distintivo de qualidade que informa as melhores condições para ir à praia, tais como o estado da água, os serviços para pessoas com deficiência, os serviços públicos, etc.

  • Bandeira Azul – A praia é de boa qualidade, é apta para tomar banho de sol e mar, cumpre requisitos de segurança, sensibilização ambiental e oferece infraestruturas para os utentes.

Desde 1987 que a Fundação Europeia de Educação Alimentar distingue as melhores praias Europeias – em Portugal, este ano, são 320 as praias com Bandeira Azul. Que maravilha!

Conhecido todas essas legendas, tenho certeza que estás muito mais seguro para tomar um excelente banho de mar em segurança. Boa praia!

Férias de verão

Se vocês têm filhos em idade escolar, eu te dou um conselho além do uso do filtro solar: Programem-se para as tais férias de verão!!! (música dramática ao fundo)

Três meses sem aulas. Para as crianças e os jovens passam a correr. Os adultos terão outra noção do tempo…

Esse ano começou dia 22 de Junho e terminará em 11 de Setembro.

É tenso! É interminável! Deveria ser um período de descanso, mas é um caos!

E, nas famílias, os obstáculos começam aqui: os pais têm cada um entre 22 a 25 dias de férias por ano (4 a 5 semanas), um filho em idade escolar tem mais de 11 semanas de férias só no Verão.

Haja ATL (colônia de férias), haja praia, haja parques e passeios. Quando você acha que já fez de tudo, ainda restarão muitos dias pela frente.

E isso tudo acontece embaixo de um sol de rachar e altíssima temporada na Europa, ou seja, preços de hotéis na estratosfera e sítios de todos os tipos lotados de turistas.

Portanto, programem-se na medida do possível e rezem. Reforçar no suco de maracujá também é uma opção. Tudo é opção, mesmo aquela que você nunca achou que fosse recorrer.

Se deixar os miúdos no tablet é totalmente contra os seus princípios, procure abrir a sua mente a imaginar que uma ou duas horinhas por dia afinal de contas pode não ser tão mal assim.

O dia mais feliz da sua vida vai ser o de ‘Volta às aulas’, acredite. Dar aquele beijo de despedida na porta da sala de aula será libertador.

Boa sorte e boas férias (o que ainda resta)! Procure sobreviver, cada dia um dia.

A busca por um lugar pra chamar de nosso

Tínhamos o apartamento do Airbnb alugado por 15 dias apenas; precisávamos encontrar um apartamento mais definitvo muito rápido.

Sabíamos que queríamos morar no Parque das Nações pois a escolha da creche das nossas filhas foi a primeira das decisões tomadas e morar perto

Começamos por tentar visitar os imóveis que já tínhamos visto pela Internet ainda no Brasil e tiro n´água. Já haviam sido alugados.

Foram 15 dias de turismo leve, burocracia pesada e muita busca nos principais sites de imobiliárias de Portugal:

Ah! Nem o bom e velho OLX ficou de fora, tá?

Visitamos aproximadamente 6 imóveis, todos na área desejada. Alguns T2 e alguns T3 (T# é o numero de quartos).

Não fechamos um que havíamos gostado muito por total falta de conhecimento. O proprietário pedia contrato de 2 anos e como nós ainda não sabíamos por quanto tempo iríamos ficar em Portugal, achamos complicado nos comprometer com um período mais extenso. Sendo que fomos descobrir depois, que por lei, é obrigatório cumprir apenas 2/3 do contrato.

Outro detalhe é que estávamos buscando um apartamento mobilado (é sem o H mesmo, não foi erro de digitação)

No fim das contas, achamos um apartamento de primeira locação, sem mobília alguma. Ou seja, não tinha luz, água, calefação… (a empresa que cuida dessa parte no Parque das Nações é a Clima Espaço). Não tinha nem lâmpadas!

Precisávamos mandar ligar tudo! E isso, na semana entre Natal e Ano Novo.

Urgência total pra contactar todas as empresas de utilities e corre pra  fazer a festa do cartão de crédito no IKEA (amor eterno, amor verdadeiro). Todos os nossos móveis são da IKEA! Móveis e utensílios domésticos em geral.

E por fim, deu tudo certo! Graças à perspicácia de um marido prestativo e ao seu kit mágico de ferramentas (furadeira elétrica é vida!) rsrs

Dia 1o de Janeiro, tínhamos um teto com cama pra deitar, água no chuveiro, fogão funcionando a todo vapor e TV passando Netflix.

E foi assim que começou…

O avião pousou em terras portuguesas às 05:45 da manhã do dia 16 de dezembro de 2016 (há exatos 1 ano e 8 meses)

Trazíamos 7 malas grandes, uma caixa gigante com o iMac e todos os casacos que uma família carioca poderia ter acumulado nos últimos anos. Éramos nós 4 e minha querida sogra, a sempre bem disposta Vovó Tatá. Originalmente era pra ser uma viagem de férias apenas, mas isso é um assunto longo e fica para outro post.

Fazia frio e chovia. Tínhamos uma logística complicada pela frente: Carro alugado, mas pela quantidade excessiva de bagagem, tivemos que pegar um transfer com algumas poucas malas e deixar o carro mais livre para levar a tralha mais pesada.

Ainda estava escuro (7 da manhã no inverno, né) e tivemos que esperar quase 3 horas na porta do edifício onde tínhamos alugado um apartamento pelo AirBnb.

Pois é, mancada nossa mesmo! Havíamos marcado com a proprietária somente às 10 horas da manhã, não me pergunte o porquê… Frio, sono e cansaço definem.

Nao foi um bom começo, é verdade. Mas ainda estávamos animados e nada era suficiente pra destituir o nosso prazer de ali estar.

Assim foi o nosso começo na terrinha…